quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Causo de Paixão



Lembrei–me do seu corpo
Envolto ao lençol
Desnudava um ombro
Segurava de leve o restante
Senti neste breve instante
Que um dia fui feliz.
Marta,
Eras tu minha paixão
Estava eu enamorado
Dos seus olhos cor de cravo
Do seu corpo violão
Bobo fui ao me entregar
A você de corpo e alma
Meu amor tu despertou
Quando por mim se enamorou
Mas um dia me deixou
Por causa de um novo amor
Fiquei deveras à espera,
Mas você nunca voltou
Agora fico a vagar
Em noites frias de luar
Por causa de tu, minha paixão
Endureci meu coração.
Este,
É mais uma causo de paixão
É desatino, desilusão
Marta agora é passado
Outro amor tenho ao meu lado.
Vou para ela cantar e tocar meu violão.
Ana Cristina.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

O Ser.


Eu poderia,
Talvez deveria,
Exaltar o desamor
Ser tão segura de mim
Escarnecer vivaz loucura
Abominar o sol, o dia
Iludir o sonho de cor carmim
Eu poderia,
Gritar sandices
Enquanto passa a banda
Esquecer o olhar de Amanda
Ser louca de louquices
Vestir-me de esquisitices
Eu poderia,
Ser tão doida de pedra
Falar a coisa certa
Fingir que sou gentil
E dar o golpe vil
Eu poderia,
Ser este ser coringa
Saltar da cartola e pimba
Lá se vou eu encantada
Fazendo jus a tantas máscaras
Eu poderia,
Mas não deveria
Ser tão criatura nata
Bruta, massa sem casca

Mas eu posso ser
Pessoa agradável
Me ver aos poucos crescer
Tal qual pedra preciosa
Necessitando de lapidescer
Eu posso ser, um pouco eu
Um pouco você.
Ana Cristina.

sábado, 2 de janeiro de 2016

Admiração.





Admiração

O que vejo?
Um mundo quadrado, sem canto nem reta,
Fragmentos de gente sem humanidade
Essa não é a hora certa,
Perdi a criatividade.
........................................................
Eu vi.
O humano ceifou o outro
Não há espelhos em toda parte
Há um pedaço de gente. Morto.
Se pudesse ver a outra face.
...........................................................
O que sinto?
Há um desnível, desumanidade,
Busco no âmago de cada um
Fagulhas da origem da fraternidade
Não vejo, não sinto, amor nenhum.
............................................................
O que espero?
A união das famílias
O aprendiz na escola
Político sem regalias
Rua sem Pedinte de esmola
Que a droga seja medicamento
Cadeia sem excremento
Extermínio à pedofilia
Casa cheia de fomento.
.......................................................
O que é?
Pessoa em construção
Humano em reflexão
Chuva de informação
Um mundo em oração.

Ana Cristina.
que me concedeu esta gentileza.
Obrigada pela parceria.