quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Para Maria



Como eu amo esta Maria
Menina com ar de alegria
Veio calma e sem jeito
peguei-a no colo
E o laço estava feito.

Quer fazer com sua avó
Brincadeiras de dar dó
Como eu amo esta Maria
Menina com ar de alegria.

Dos presentes que te dei
a maioria são livros.
Aos três meses vovó lia
Mil histórias pra Maria.

Como eu amo esta menina
Com ar de Maria
Penso nela noite e dia
Ela muda minha rotina.

Logo, logo crescerá
Uma moça vai virar
Vovó fica orgulhosa
Se a netinha se formar.

Como eu amo esta Maria
Menina com ar de alegria.
Ana Cristina.

Maratona



Percorri a extensão dos teus olhos,
O verde me confundiu um pouco,
Mas pude ver no fundo que o azul
Era a cor predominante
Percorri o tamanho da sua alma,
Ela me pareceu ofuscada,
Mas pude sentir o vazio eminente
Percorri a imensidão da sua fala,
Ela me dizia do amor que tem,
Mas pude sentir a validade,
Nenhum vintém
Percorri a vastidão da verdade
Ela me dizia que amar é vantagem,
Então, após tanta caminhada,
Sentei cansada da minha viagem,
Discorri em papel de seda,
Todas as impressões de ti.
Ana Cristina.


terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Descarado





Taí. O mascarado, o vi afinal
Alegria, confete, arlequim
Samba a mulata sem igual
Cantai tamborim
..........................................
Chove chuva de papel
Repique de repente
Sai da frente coronel
Dê passagem a toda gente
...........................................
Taí. O mascarado, o vi afinal
Guardava sua cara na bendita
Hoje aparece sem laço nem fita
És tolo, cara de pau
............................................
Chove chuva de papel
Contratos e acordos picados
Sua cama é daquelas com dossel
Enquanto morrem-se por todo lado
..........................................
Sem remédio sem comida
Cidadão acorda cedo e vota
Senão é prejudicado na vida
No bolso não há nada, nenhuma nota
...........................................
Taí. O mascarado, o vi afinal
Passou por mim vestido de bom moço
Talvez em outro carnaval
Sua roupa listrada o leve ao fundo do poço.
Ana Cristina.


sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

É só uma oração






Senhor, eu sei o que é o seu amor,

Sou sua planta mais rara.

Moro em seu jardim.

Por vezes estou seca e murcha,

Aí, você chove em mim,

Suas lágrimas encharcadas

.................................................

Vida é o que sei de ti

Mesmo a carne morta,

Ela confere alimento

É um círculo frenético

De vai e vem

Uma bola encantada

.............................................

Sei da sua bondade em acordarme

Todos os dias

E da sua espera em ver a verdade, mas

Hipocrisia nos homens, é o que vês

Aí, a fim de banir a mazela,

Você venta seus ventos fortes

Gelifica os mares e esquenta o verão

.................................................................

Sinto a sua dignidade

Perante a criação,

Somos seres deformados por nossas ações

Darlheia, o contrário, enorme satisfação.

Sei da sua constante nos dias e noites

Também do exemplo em renovação

Mas sou ser tão miúdo senhor,

Que ofereço a ti, essa menor oração.

Ana Cristina.

Imagem: Google.