quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Ciranda!


Eu abri a porta,
Por ela passaram muitas pessoas 
E foram embora,
Por ela vieram outras tantas, 
Nem todas ficaram,
Algumas deixaram flores no batente,
Outras arrancaram a cerca do jardim,
Umas me fizeram companhia no frio,
Outras me gelaram o coração.
Eu abri a porta e ela se escancarou,
Entraram algumas malvadezazinhas,
Uns bocadinhos de feiuras,
Entraram ventos e ventanias 
E varreram alguns valores,
Um dia bateu um vento daqueles,
Inesperado
A porta se fechou e trancou
Um silêncio se fez no grande vazio
Passou por todas as estações 
E a porta continuava trancada
Um dia veio uma singela borboleta 
E pousou na fechadura
A porta se abriu e
O sol entrou
Em seu rastro vieram brilhos de estrelas e
Raios de amor,
Um ventinho de leve varreu todo o pó
Eu pude ver lá dentro uma grande festa 
Eram a felicidade, a esperança, o amor 
E o tempo,
Brincando de roda.
Ana@Cristina.
Créditos da Imagem: Pinterest









Nenhum comentário:

Postar um comentário