quinta-feira, 17 de março de 2016

MULHERES ETERNAS





Autoria: Vitor Castanheira e Ana Cristina
Vitor....
Mulheres do meu jardim
sem tempo
Rosas com espinhos que desfolhei
 Suaves eternas foram o alento
Das minhas desventuras que curei
Ana....
Curastes as dores da carne
Dos espinhos que espetei
Não sou rosa, sou cravo
Caídas as pétalas deixei
Vitor....
Cânticos de melodias tão suaves
Guardo em relicário no meu peito
Vão e voltam como se fossem aves
No meu hemisfério já bem desfeito
Ana....
Cantastes para mim oh! Meu caro
Melodias que chorei
Viajei por entre os mares
Do meu amado país
Vitor....
 Estendo-lhes a mão.
E um sorriso
Vem beijar-me a minha rugosa face Julgo que encontrei novo paraíso…
Ana...
Doute a ti meu bem amado
Minha mão e meu sorriso
De muito bom grado
Vitor....
Musas soletrando os meus poemas
Então sinto que se dá novo enlace
Alegro-me por ter escrito belos temas.
Ana...
Não chore pelos sulcos encravados
Eles são passaportes do passado
Sua alegria é bálsamo
Do poema enquadrado.
ARIEH NATSAC & Ana Cristina.