quinta-feira, 13 de abril de 2017

Uma Carta de Amor

Me pediu que escrevesse uma carta
Que nela tivesse um tanto assim do meu amor
Que nela eu pusesse um bocado de saudade
Um montão de felicidade
Uma pitadinha de safadeza e
Bastante sutileza
Mas a carta foi ficando gigantesca
Porque nela pus o nosso encontro marcado
Aquele dia em que nos encontramos a primeira vez
Foi um amor de olhar
De atração de cheiro
De alta voltagem ao beijar
De confusão ao pensar
Ou não havia nenhum raciocinar
Eu disse da nossa primeira vez no sofá
Também disse da vez no banco do carro
E de tantas e tantas vezes em qualquer lugar
Sei que queria uma carta de saudade
Mas os sentidos não obedecem
Enlouqueceram ao citar
Estamos longe um do outro
Não pude deixar de dizer
Que em todos os lugares do mundo
Existe uma de mim e um de você
Somos como átomos espalhados por aí
Fazemos a fórmula perfeita da física pelo nosso físico
Amo tanto você que nem vejo a noite cair
Fico a vagar pelo pensamento a te desejar
Vou citar nesta carta as vezes em que fizemos piquenique
Em que o parque todo foi testemunha do nosso amor
Vou dizer da toalha que nos encobriu da chuva caída displicentemente
Da garrafa de vinho deixada na grama com as taças
E dos corações marcados na árvore
Mas não posso dizer da grama servida de alcova
Apenas o tempo dirá por ela
Direi que deixamos marcados por aí pelos cantos do mundo
Selamos tudo e a todos com o nosso sorriso e nossa alegria
E por fim eu direi meu amor
Volte,
Essa carta não tem mais sentido sem você
Sei,
É mais uma carta de amor!!
Ana Cristina Costa
Imagem extraída do Pinterest









Nenhum comentário:

Postar um comentário